Quem nunca ouviu falar do famoso “joelho fora do lugar”? Pois é, essa condição, também conhecida como luxação de joelho, pode ser bastante dolorosa e incômoda. 

Por isso, no artigo de hoje, abordaremos todos os aspectos do joelho fora do lugar, desde as suas causas até os tratamentos e formas de prevenção. Então, vamos lá?

O que é o joelho fora do lugar?

Em suma, o joelho fora do lugar ocorre quando os ossos que compõem a articulação do joelho saem de sua posição normal, resultando em dor, inchaço e dificuldade para movimentar a perna. 

Esta condição pode ser causada por um trauma, como uma queda, ou por movimentos bruscos e inadequados.

Causas do joelho fora do lugar

Algumas das principais causas do joelho fora do lugar são as seguintes:

  • Traumas: acidentes de carro, quedas e lesões esportivas são os principais responsáveis.
  • Movimentos bruscos: torções súbitas ou mudanças de direção podem causar a luxação.
  • Hiperfrouxidão ligamentar: algumas pessoas têm maior flexibilidade nas articulações, o que aumenta o risco de luxação.

Sintomas e diagnóstico

Os principais sintomas do joelho fora do lugar são:

  • Dor intensa;
  • Inchaço;
  • Dificuldade para movimentar a perna.

Deformidade visível do joelho

Ao suspeitar de um joelho fora do lugar, é fundamental procurar um médico ortopedista para realizar o diagnóstico correto. 

Ele pode solicitar exames de imagem, como raio-x ou ressonância magnética, para confirmar a luxação e avaliar a extensão da lesão.

Tratamentos para o joelho fora do lugar

Os tratamentos para o joelho fora do lugar variam conforme a gravidade da lesão e podem ser as seguintes:

Repouso, gelo, compressão e elevação (RICE)

Essas medidas ajudam a reduzir o inchaço e a dor nos casos mais leves:

  • Repouso: Evite colocar peso na perna afetada e movimentar o joelho.
  • Gelo: Aplique gelo no local por 20 minutos, várias vezes ao dia.
  • Compressão: Utilize uma bandagem elástica para comprimir a área.
  • Elevação: Mantenha a perna elevada, de preferência acima do nível do coração.

Imobilização

Em alguns casos, o médico pode recomendar o uso de uma tala ou imobilizador para manter o joelho na posição correta e evitar movimentos que possam agravar a lesão.

Medicamentos

Analgésicos e anti-inflamatórios podem ser prescritos para aliviar a dor e o inchaço.

Fisioterapia

Após a fase aguda, a fisioterapia é essencial para recuperar a força e a mobilidade do joelho. 

O fisioterapeuta irá propor exercícios específicos para fortalecer os músculos ao redor do joelho e melhorar sua estabilidade.

Cirurgia

Em casos mais graves, onde há ruptura de ligamentos ou outras estruturas do joelho, a cirurgia pode ser necessária para reparar os danos e restabelecer a função da articulação.

Quanto tempo demora para curar uma luxação no joelho?

Quanto tempo demora para curar uma luxacao no joelho

O tempo necessário para a cura de uma luxação no joelho depende da gravidade da lesão. Em casos mais leves, a recuperação pode levar de algumas semanas a alguns meses, enquanto em casos mais graves pode levar vários meses ou até um ano para a recuperação completa.

Durante o período de recuperação, o médico geralmente recomenda repouso, aplicação de gelo, compressão e elevação da perna afetada, bem como fisioterapia e/ou uso de órteses para ajudar a restaurar a força e a mobilidade do joelho. Mas, em casos mais graves, pode ser necessário fazer cirurgia para corrigir a lesão.

O acompanhamento médico regular é fundamental para monitorar a progressão da cura e garantir que o tratamento seja adequado e eficaz.

É fundamental seguir todas as orientações médicas e evitar esforçar o joelho afetado até que a recuperação seja completa para evitar recaídas ou complicações.

Como fazer a patela voltar para o lugar?

Se a patela (rótula) saiu do lugar (luxação patelar), é indispensável que você procure ajuda médica imediatamente.

O médico ou fisioterapeuta pode ajudar a colocar a patela de volta em sua posição correta usando uma técnica conhecida como redução. Essa técnica envolve aplicar pressão suave na patela para colocá-la de volta em sua posição normal.

É essencial não tentar colocar a patela de volta no lugar sozinho, pois isso pode piorar a lesão e causar mais danos ao joelho.

Também é necessário evitar movimentar o joelho afetado até que o profissional médico avalie a lesão e decida o tratamento adequado.

Após a redução da luxação patelar, o médico ou fisioterapeuta geralmente recomenda repouso, aplicação de gelo, compressão e elevação da perna afetada, bem como fisioterapia e/ou uso de órteses para ajudar a restaurar a força e a mobilidade do joelho.

Mas, em casos mais graves, pode ser necessário fazer cirurgia para corrigir a lesão. Lembre-se de sempre seguir as orientações médicas para garantir a recuperação adequada e evitar complicações.

Prevenção do joelho fora do lugar

Para evitar o joelho fora do lugar, é fundamental seguir algumas recomendações, bem como:

  • Fortalecer os músculos: exercícios para fortalecer os músculos das pernas e do tronco ajudam a estabilizar o joelho e a prevenir lesões.
  • Alongar-se: manter a flexibilidade das articulações pode prevenir torções e outras lesões.
  • Usar equipamentos de proteção: ao praticar esportes, utilize joelheiras e outros equipamentos de proteção adequados.
  • Evitar movimentos bruscos: cuidado ao mudar de direção rapidamente ou ao realizar movimentos que exijam torção do joelho.

Conclusão

O joelho fora do lugar é uma condição que pode causar dor e dificuldades de movimentação. Por isso, é necessário conhecer as causas, sintomas e tratamentos para lidar adequadamente com essa situação. 

Além disso, seguir as orientações de prevenção e realizar fisioterapia pode ajudar a evitar lesões no futuro e manter o joelho saudável. 

Sempre consulte um médico ortopedista ao suspeitar de um joelho fora do lugar e siga suas recomendações para garantir uma recuperação adequada.

Ortopedista especialista em joelho [CRM/GO: 11552 | SBOT: 12166 | RQE: 7240]. Membro titular da SBCJ (sociedade brasileira de cirurgia do joelho), SBRATE (sociedade brasileira de artroscopia e trauma esportivo) e da SBOT(sociedade brasileira de ortopedia e traumatologia).